Brasil

Morte de Cristiano Araújo e Allana Moraes completa 3 anos

Famosos

Publicado em: 25 de Junho de 2018
Foto Por: Reprodução
Fonte: Portal G1
(Morte de Cristiano Araújo e Allana Moraes completa 3 anos)

Ao menos três características ficam evidenciadas nas referências ao sertanejo Cristiano Araújomorto há exatos três anos junto com a namorada, Allana Moraes, após um acidente de carro em Morrinhos (GO): amor à família, paixão por futebol e bom humor.

Diversas postagens nas redes sociais do artista, de então 29 anos, confirmam a devoção que ele tinha pelos filhos, o apreço pelo Vila Nova e pelo Corinthians e o quanto apreciava viver de uma forma mais leve. Além disso, reforçam sua própria percepção de ser um “cantor por natureza”.

Irmão de Cristiano Araújo, o também cantor Felipe Araújo publicou nas redes sociais uma homenagem para o artista, neste domingo. O caçula postou fotos, um vídeo e escreveu uma mensagem sobre a saudade do irmão.

Para os fãs e amigos, ele ficou imortalizado no verso “o que temos para hoje é saudade”, do hit lançado em 2014, “Cê que sabe”. As lembranças são permeadas por referências a um cantor brincalhão, que postava vídeos com caretas e imitações de amigos em redes sociais e se divertia com demonstrações de fãs.

No dia do acidente, o nome de Cristiano Araújo ficou em 1º lugar como trending topic (tendência global) da rede social Twitter em todo o mundo, com quase 60 mil citações por hora. Um ano depois, ele era o artista mais tocado nas rádios do país. A página dele no Facebook tem atualmente 9,2 milhões de seguidores.

O artista morreu no auge da carreira, pouco depois de ganhar palcos internacionais, deixando um CD com músicas inéditas em produção. Na época, namorava havia 1 ano e 2 meses e sempre demonstrava estar apaixonado. Ele deixou dois filhos – João Gabriel, de 7 anos, e Bernardo, de 2, na época, frutos de relacionamentos anteriores.

Infância musical

Cristiano Melo Araújo nasceu em 24 de janeiro de 1986 na cidade de Goiás e tinha música correndo nas veias. As influências iam muito além do fato de ele ter nascido no mesmo estado que foi berço para Leandro e Leonardo, Zezé Di Camargo e Luciano e Jorge e Mateus – o artista representava a quarta geração de músicos da família.

Cristiano ganhou o primeiro violão aos 6 anos e, aos 9, já fazia apresentações em público, em festas e pequenos festivais em shoppings. Ele participou de vários concursos, sem despertar muito interesse de empresários e produtores.

Com o passar do tempo, o artista começou a tocar em bares. O público não era grande, e às vezes o dinheiro não dava nem para o lanche.

"Eu pagava R$ 100 para cada um dos quatro músicos, aí sobrava R$ 100 para mim, R$ 100 para o segunda voz", lembrou Cristiano durante os bastidores de um show.

O primeiro CD e duplas sertanejas

O primeiro CD de Cristiano Araújo foi gravado quando ele tinha 13 anos e contava com cinco músicas. Ainda adolescente, começou a trilhar seu caminho no mercado do sertanejo, fazendo shows em campanhas políticas e se apresentando em programas de televisão.

Ele ficou em carreira solo até os 17 anos. Sem decolar sozinho e determinado a alcançar o sucesso, decidiu apostar em cantar com um parceiro, como acontecia com a maioria dos artistas do mesmo estilo.

Foram três tentativas de duplas, mas nenhuma avançou. O jeito foi retornar à carreira solo, em 2010.

‘Vaquinha’ para gravar DVD

“Quando ele viu que não dava certo em dupla, ele voltou a cantar sozinho. Só aí foi quando a gente decidiu que ia fazer o primeiro DVD. A gente não tinha a mínima condição, e corremos atrás de amigos”, contou o pai do sertanejo, João Reis, ao G1 em 2016.

Amigos então fizeram uma força-tarefa para gravar o material no ano posterior. Era necessário juntar R$ 80 mil para transformar o projeto em realidade. Irmão de Cristiano Araújo, Felipe Araújo contou que quase pôs o sonho a perder.

“Ele falou que não ia dar e que a gente ia ter que vender o carro. Estava prestes a vender quando fui tentar aprender a dirigi e bati o carro em outros dois parados. Quase estraguei tudo”, lembrou.

A gravação foi simples, sem grande luxo. Além de um microfone comum, foi usada uma placa de som e um computador. O produtor técnico do DVD, Thyeres Marques, afirmou que, quando Cristiano cantou, soube que “era um sucesso”.

Paradas de sucesso

Uma das músicas do disco foi “Efeitos”, que teve 5 milhões de visualizações na internet em uma semana. Ela foi a terceira canção mais procurada em 2011.

A partir de então, Cristiano Araújo começou a ganhar notoriedade, aumentando o número de shows na agenda. Ele gravou músicas com grandes nomes do mundo sertanejo como Gusttavo Lima, Jorge (da dupla Jorge & Mateus) e Humberto e Ronaldo.

Detido por excesso de barulho

Na madrugada de 2 agosto de 2012, Cristiano Araújo foi detido em sua residência, em um condomínio horizontal de luxo da região sul de Goiânia. De acordo com a Polícia Civil, ele estava dando uma festa em casa, e alguns vizinhos se incomodaram com o volume alto da música.

Ainda segundo a polícia, vizinhos teriam pedido para Cristiano reduzir o volume, mas não teriam sido atendidos. Depois de várias tentativas de conversar, a polícia foi acionada. Os policiais também disseram que esta teria sido a sexta vez que o artista Cristiano seria notificado por barulho em festa.

Outros álbuns

O segundo DVD de Cristiano Araújo foi lançado em 2012, intitulado “Ao Vivo em Goiânia”, com participações de Bruno e Marrone, Fernando e Sorocaba, Israel e Rodolffo, seu sósia mirim, Hugo Henrique, e seu pai. Entre os sucessos está o hit "Bará Berê", que tema da novela “Salve Jorge”, e "Você Mudou", uma versão sertaneja de "Making Love Out of Nothing at All", do Air Supply.

Nesse DVD também foi lançada para as rádios a canção "Mente Pra Mim" , que se tornou um hit em todo o país.

Em 2013, Cristiano Araújo lançou Continua, com 20 novas músicas. Entre elas estavam "Maus Bocados", "Caso Indefinido" e "Ei, Olha o Som (Empinadinha)". "Maus Bocados" ficou entre as mais tocadas nas rádios em 2014, atingindo o 11º lugar na parada anual segundo a Billboard Brasil.

O álbum foi certificado com disco de platina duplo pela Associação Brasileira dos Produtores de Discos (ABPD) e vendeu cerca de 200 mil cópias.

Em 2014, Cristiano Araújo lançou o seu último DVD: In The Cities ("Nas Cidades", em tradução livre). Ele foi gravado em Cuiabá (MT), contou com a participação do artista belga Ian Thomas e impulsionou sua carreira internacional. O artista fez turnê nos Estados Unidos e na Europa.

Tragédia

  • O acidente

Cristiano Araújo, a namorada, Allana Moraes, o motorista Ronaldo Miranda Ribeiro e o empresário Vitor Leonardo voltavam de um show quando o carro em que estavam, um Range Rover, saiu da pista e capotou.

Allana morreu no local. Já o cantor chegou a ser socorrido e levado para o Hospital Municipal de Morrinhos. Depois, foi transferido para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Móvel até a capital, Goiânia. Em seguida, foi de helicóptero até o Hugo. Apesar dos esforços para socorrê-lo, Cristiano não resistiu aos ferimentos.

O motorista e o empresário ficaram feridos, mas deixaram o hospital dias depois.

  • Investigações

As investigações do acidente mostram que o condutor perdeu o controle do veículo 21 minutos após fazer uma parada em um posto de combustíveis, a cerca de 57 km do local do capotamento.

Segundo o Ministério Público, Ronaldo foi "imperito e negligente" por dirigir acima da velocidade prevista na rodovia. Dados recolhidos da “caixa preta” da Range Rover do cantor mostram que o motorista estava a 179km/h cinco segundos antes do acidente.

O delegado responsável pelo caso, Fabiano Henrique Jacomelis, também disse, ao concluir o inquérito, que o motorista foi negligente e imprudente, mas avaliou que ele não cometeu o ato intencionalmente.

"Houve o crime de trânsito, ele agiu com negligência no momento que transitou com as rodas não originais, com danos, e imprudente por dirigir em excesso de velocidade". Contudo, ele avaliou que, apesar de saber dos riscos, o motorista não teve a intenção de matar o casal.

Ainda segundo o delegado, condutor negou ter feito o consumo de bebidas alcoólicas, o que foi comprovado em uma análise, e que estivesse falando ao celular ou dormido ao volante. Porém, Ronaldo confessou que seguia acima da velocidade permitida na via, que é de 110 km/h.

De acordo com a perícia realizada no ponto em que o carro saiu da pista, a via estava em boas condições. Por isso, segundo o perito criminal José Luiz Macedo, não havia fator na rodovia que pudesse contribuir para o acidente.

  • Condenação

Após a investigação, Ronaldo foi indiciado pela polícia por duplo homicídio culposo, quando não há intenção de matar, e denunciado pelo Ministério Público de Goiás. Em janeiro de 2018, ele foi condenado a 2 anos e 7 meses de detenção, em regime aberto, pelo crime.

Ainda de acordo com a sentença, deveria perder o direito de dirigir por dois anos. Embargos da defesa, porém, adiaram o cumprimento da sentença. Atualmente, ele trabalha com o também sertanejo Marrone.

  • Disputa pela carcaça do carro

valor referente ao seguro do veículo ainda não foi repassado aos beneficiários. Após um grande imbróglio, um empresário, que não quis ter o nome revelado e ao qual o bem está vinculado, e os responsáveis pelos dois filhos e herdeiros do artista chegaram a um acordo. Apesar disso, segundo os advogados das partes, a quantia, R$ 412 mil, precisou ser depositada na conta ligada ao processo do inventário do sertanejo, que tramita na Justiça em segredo.