Cuiaba

Em áudio, Selma diz que campanha de Taques custaria R$ 15 mi

ELEIÇÕES 2018 / \"NINGUÉM QUER BOTAR DINHEIRO\"; OUÇA

Publicado em: 04 de Outubro de 2018
Foto Por: Alair Ribeiro/MidiaNews
Fonte: Midia News
Candidata diz que ninguém quer colocar dinheiro em Taques; em nota, ele diz que fala foi adulterada.

A juíza aposentada e candidata ao Senado Selma Arruda (PSL) foi gravada em um áudio afirmando que o governador Pedro Taques (PSDB), que tenta a reeleição, pretendia gastar R$ 15 milhões nesta eleição.

 

O valor está acima dos R$ 5,6 milhões permitidos pela Justiça Eleitoral.

 

A gravação foi feita em uma reunião entre Selma, o presidente do PSL, Victório Galli, e outros membros do partido, que discutiam a questão financeira na campanha.

 

De acordo com ela, Taques ficaria responsável por conseguir R$ 7,5 milhões. Outros R$ 3,25 milhões seriam de responsabilidade dos outros membros da coligação.

  

"Eu vou te explicar uma coisa que vocês não sabem. Nas reuniões da majoritária, eu estava tentando trazer dinheiro para todos os partidos e para o nosso, principalmente. Só que nas reuniões de planejamento da majoritária, estavam os dois aqui de prova [Victório Galli e Nelson Barbudo], tá. A ideia deles era fazer o seguinte: a majoritária assumir a dívida. Assim, a campanha iria custar R$ 15 milhões. A campanha do governador iria custar R$ 15 milhões. R$ 7,5 milhões, o governador iria se virar. E os R$ 3,250 milhões cada um de nós iria se virar", afirmou.

 

“Aí, eu perguntei assim: Tá, mas nós vamos tirar o dinheiro da onde? ‘Não, vocês vão assinado notas, fazendo dívidas, depois a gente arruma o dinheiro e vocês cobrem a dívida’. É assim que vocês queriam que eu arrumasse dinheiro? É isso que eles estão prometendo para vocês, que eles não vão cumprir nunca. Nunca!”, disse ela.

 

Escreve o que estou te dizendo. Você sabe quanto ele conseguiu de doação até o dia que eu saí de lá? R$ 600 mil

A candidata dá a entender que a proposta foi feita no início da campanha. E que, no decorrer, foi visto que o valor não seria atingido. Ela disse que ninguém queria colocar dinheiro no projeto do tucano.

 

“Então, vocês não sabem da metade da missa, da metade da briga. Vocês leem as coisas no jornal e não sabem o que está acontecendo. E não vai aparecer. Escreve o que estou te dizendo. Você sabe quanto ele conseguiu de doação até o dia que eu saí de lá? R$ 600 mil. Ninguém quer botar um centavo naquele homem. Ninguém quer botar um centavo lá. Ninguém quer botar dinheiro naquela campanha”, afirmou.

 

Selma então é questionada por Galli por que levou o PSL para base de Taques. Ele afirmou que no grupo do candidato ao Governo Mauro Mendes (DEM), eles teriam chances melhores de eleição.

 

“Eu fui lá com Pedro para garantir tua vaga pra Senado. E sacrificamos isso. Depois veio aquele rolo todo de deputados estaduais. E nós, eu e o Barbudo aqui, que dependemos de coeficiente, ficamos aí. Tá entendendo? Há um risco danado nesse negócio aí”, disse Galli.

 

“Aí, o acordo da Federal quem fez foi você, meu filho, não bota a culpa em mim não”, rebateu Selma.

 

“Não, mas porque nós estamos com o Pedro. Se nós tivéssemos lá com o Mauro, nós tava tranquilo. Mas o Mauro é com você”, completou Galli.

 

Sem coisa errada

 

Em nota, Selma chamou o áudio de adulterado e disse que sairá limpa no processo eleitoral.

 

“Ali, fica claro que eu estou sendo pressionada a fazer acordos para obter financiamento a qualquer custo. E fica mais claro, ainda, que me neguei a fazer qualquer coisa errada. Entrei na disputa eleitoral limpa e vou sair limpa. Vamos provar que é possível vencer uma eleição sem ter que violar seus princípios de ética, honra e de cristão”, afirmou.