Cuiaba

Mendes põe fim a carreira de Taques com nomeação de Stringueta.

Fim da linha

Publicado em: 20 de Março de 2019
Fonte: MUVUCA POPULAR
Delegado da "grampolândia "foi humilhado no governo Taques e agora vai finalizar investigação

nomeação do delegado Flávio Henrique Stringueta, ocorrida na última sexta-feira (15) pelo governador Mauro Mendes (DEM), para comandar a gerência de combate ao crime organizado ( GCCO) é para colocar os ex-membros do staff de Pedro Taques (PSDB) com as barbas de molho.

Isso porque o delegado Stringueta foi exonerado de forma humilhante da GCCO em junho de 2017 atendendo a pedido do ex-secretário da Segurança Pública Rogers Elizandro Jarbas, colega de Stringueta a quem tinha suas diferenças, e que explodiram com a exoneração.

O secretário Rogers assumiu a pasta prestigiado pelo chefe Pedro Taques e acabou caindo em desgraça ao tentar proteger o chefe no "caso da grampolândia pantaneira", que passou a ser investigado por Stringueta a pedido do Tribunal de Justiça.

A propósito, a queda de Taques, que queimou de forma avassaladora todo seu capital político em 4 anos de mandato, levou com ele todos que o seguiram, salvando um ou outro que se mantém pendurado em algum cargo mas de forma anônima e acanhada.

Sobre a investigação dos grampos, que pode ser a pá de cal sobre Taques e os escombros que restam do homem público que queria ser até presidente da República, ainda virá outra maré, em agosto, com a renovação dos depoimentos dos coronéis envolvidos, que pediram para fazer um 'adendo' e todos acreditam ser a delação final sobre quem foi o mandante.

Além de Rogers oficiais da PM, incluído praças, houve a tentativa de todos protegerem o chefe Pedro Taques, que hoje já não tem mais nenhum prestígio. A reação dos oficiais parece ser orientada, e há certo expectativa de que possa levar o ex-governador para a cadeia. De qualquer forma, não há mais clima para discutir o nome de Taques numa disputa eleitoral.

A própria ex-amiga, Selma Arruda, deu o veredito: "Eu acho que ele (Taques), coitado, infelizmente não se elege para mais nada". Outro ex-aliado, Júlio Campos, diz que Pedro Taques foi o maior vexame da história de Mato Grosso.

Em tempo: Resta ainda a justiça ir atrás dos R$ 100 milhões que o ex-governador se 'auto-emprestou' via BNDES com aval do estado, usando o escritório do primo como laranja.