14 de junho de 2024

Nova Ubiratã

Agronegócio

Mato Grosso na Vanguarda do Agro Sustentável: Impulsionando a Economia e Unindo Campo e Cidade

Práticas sustentáveis transformam o cenário econômico e fortalecem a conexão entre áreas rurais e urbanas, promovendo um futuro mais próspero e ecologicamente responsável.

Foto por: Foto - Reprodução

Em um mundo cada vez mais atento às questões ambientais, a sustentabilidade no agronegócio desponta como um dos principais motores de transformação econômica e social. No Brasil, país de dimensões continentais e líder global na produção de alimentos, práticas agrícolas sustentáveis não apenas preservam recursos naturais, mas também fortalecem a economia e criam uma ponte vital entre o campo e a cidade. Essa conexão, alimentada por uma crescente demanda urbana por produtos orgânicos e ecologicamente corretos, tem o potencial de revolucionar a forma como produzimos e consumimos alimentos. Nesta reportagem, vamos explorar como o agro sustentável está moldando o futuro, impulsionando a economia e unindo realidades rurais e urbanas em uma sinergia benéfica para todos.

 

O IMPACTO DO AGRONEGÓCIO NA ECONOMIA BRASILEIRA

O agronegócio é um pilar fundamental da economia brasileira, representando cerca de 26,6% do PIB nacional em 2022, de acordo com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Essa relevância se reflete nas exportações: o setor foi responsável por 48% das exportações totais do país no mesmo ano, com destaque para soja, carne bovina e produtos florestais, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

 

No âmbito da sustentabilidade, o Brasil tem avançado significativamente. Práticas como a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) ocupam aproximadamente 17 milhões de hectares, promovendo a conservação de solo e água, além de aumentar a produtividade. Esse modelo inovador não só reduz os impactos ambientais, mas também melhora a eficiência econômica do setor agrícola.

 

O mercado de produtos orgânicos também está em ascensão. Em 2022, esse segmento movimentou cerca de R$ 6 bilhões, conforme a Associação de Promoção dos Orgânicos (Organis), evidenciando a crescente demanda por alimentos sustentáveis e de alta qualidade.

 

MATO GROSSO: O GIGANTE DA PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL

No coração do Brasil, o estado do Mato Grosso se destaca como um gigante agrícola. É o maior produtor de soja do país, com uma produção de aproximadamente 38 milhões de toneladas na safra 2022/2023, segundo o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (IMEA). A área plantada com soja no estado alcançou cerca de 10 milhões de hectares em 2022, complementada por aproximadamente 5 milhões de hectares dedicados ao cultivo de milho. Esses números consolidam o Mato Grosso como um líder incontestável na produção agrícola brasileira.

 

O estado também se destaca na adoção de práticas sustentáveis. Aproximadamente 5 milhões de hectares estão envolvidos em sistemas de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), conforme dados da Embrapa. Esses sistemas permitem a produção de grãos, carne e madeira de forma integrada, promovendo a conservação de solo e água e aumentando a eficiência do uso da terra. Além disso, a ILPF contribui significativamente para a mitigação das mudanças climáticas, com potencial para sequestrar até 1,5 toneladas de CO2 por hectare por ano.

 

As exportações do Mato Grosso são outro indicador da importância do estado para o agronegócio brasileiro. Em 2022, o estado exportou mais de US$ 22 bilhões em produtos agropecuários, com a soja representando mais de 70% desse total, de acordo com a Secretaria de Comércio Exterior (Secex). Esses números não apenas demonstram a capacidade produtiva do estado, mas também sua relevância no mercado global.

 

HISTÓRIAS DE SUCESSO NO AGRONEGÓCIO SUSTENTÁVEL

Fazenda São Marcelo

Um exemplo notável de sucesso na implementação de práticas sustentáveis no Mato Grosso é a Fazenda São Marcelo, localizada em Tangará da Serra. Desde 2010, a fazenda adotou o sistema ILPF, integrando a produção de soja, milho, pecuária e eucalipto. Os resultados foram impressionantes: aumento da produtividade, melhor qualidade do solo e maior resiliência contra mudanças climáticas. Segundo os proprietários, os benefícios econômicos e ambientais são evidentes, com uma redução significativa nos custos de insumos e aumento na rentabilidade. Além disso, a Fazenda São Marcelo é referência em pesquisas sobre sustentabilidade, colaborando com instituições como a Embrapa para o desenvolvimento de novas tecnologias agrícolas.

 

A CONEXÃO ENTRE CAMPO E CIDADE

A demanda urbana por produtos sustentáveis tem sido um importante motor para a adoção de práticas agrícolas mais responsáveis. Consumidores nas cidades estão cada vez mais conscientes sobre a origem dos alimentos e o impacto ambiental de sua produção. Esse movimento impulsiona o mercado de orgânicos, que em 2022 movimentou cerca de R$ 6 bilhões no Brasil, segundo a Organis. Essa demanda cria um elo crucial entre os produtores rurais e os consumidores urbanos, fomentando uma economia mais sustentável e integrada.

 

Tecnologias inovadoras também desempenham um papel vital nessa conexão. Ferramentas como a agricultura de precisão e a Internet das Coisas (IoT) permitem que produtores monitorem e gerenciem suas culturas de maneira mais eficiente, reduzindo desperdícios e melhorando a qualidade dos produtos. Essas tecnologias facilitam o acesso dos produtores rurais aos mercados urbanos, garantindo que os alimentos cheguem frescos e de forma sustentável às mesas dos consumidores.

 

DESAFIOS E OPORTUNIDADES

Apesar dos avanços, a transição para práticas agrícolas totalmente sustentáveis enfrenta desafios. Entre eles estão a falta de recursos financeiros e tecnológicos para pequenos produtores, resistência cultural e barreiras econômicas. No entanto, as oportunidades são vastas. Iniciativas governamentais, como incentivos fiscais e programas de financiamento, além de parcerias público-privadas, podem facilitar essa transição.

 

A educação e a conscientização também são fundamentais. Programas que aproximam os consumidores dos processos agrícolas, mostrando os benefícios da produção sustentável, podem aumentar a demanda por esses produtos e incentivar mais produtores a adotarem práticas sustentáveis.

Conclusão

O agronegócio sustentável é mais do que uma tendência; é uma necessidade para garantir a longevidade do setor agrícola e a saúde do planeta. Com práticas inovadoras e uma crescente demanda por produtos sustentáveis, o Brasil, e especialmente o Mato Grosso, estão na vanguarda dessa transformação. A conexão entre campo e cidade fortalece a economia e promove um futuro mais sustentável para todos. É imperativo que governos, empresas e consumidores trabalhem juntos para apoiar essa evolução, garantindo um futuro próspero e sustentável.

Fonte: UBTNEWS

Escrito por: Joziel Silva

Somos o Ubiratã News, um site de notícias que tem o prazer
em dar a notícia, receber as opiniões de vocês amigos
leitores, onde podemos debater ideias