11 de maio de 2021

Nova Ubiratã

Geral

Médico denuncia caos em hospital suspeito de cobrar R$ 110 mil para reservar UTI

Foto por: Folha max

Um médico residente do Hospital Santa Rita, em Alta Floresta (790 km de Cuiabá), usou suas redes sociais para denunciar a retaliação que levou a sua demissão. Durante a transmissão do programa Olho Vivo, da TV Nativa, o médico teria feito uma série de acusações nos comentários.

Wagner Miranda Jr teria questionado o financiamento dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital privado, que estariam sendo custeados pelo governo estadual. O hospital Santa Rita administra 25 leitos que são custeados pelo governo do Estado.

Esse recurso é repassado pela prefeitura de Alta Floresta na forma de convênio. Atualmente, o hospital é o único que tem estrutura para atender pacientes que precisam de UTIs no município.

Em sua denúncia, Wagner afirma que o hospital não está com o estoque de remédios e respiradores em dia. "Inventam que tem medicações quando na verdade tem que sair correndo para comprar", escreveu.

Além disso, ele afirma que os leitos de UTIs públicos e privados estão todos misturados. "Colocam leitos SUS junto com particulares. Não tem humanidade, só pensam no dinheiro", desabafou.

Devido à falta de respiradores, o médico conta que, em uma inspeção feita pela auditoria do SUS, foi retirado o equipamento de um paciente para a apresentação de uma "UTI modelo". Segundo ele, ao fim da inspeção, o hospital 'voltou a bagunça' que era antes.

O médico disse que já denunciou o hospital para a prefeitura de Alta Floresta e ao Ministério Público Estadual.

2ª DENÚNCIA

Esta é a segunda denúncia contra o Hospital Santa Rita de Alta Floresta no âmbito de atendimento aos pacientes com Covid. No início do mês, a familiar de um paciente acusou a unidade hospitalar de cobrar R$ 110 mil de maneira antecipada para atender pacientes que necessitam de vaga em Unidade de Terapia Intensiva.

De acordo com a denunciante, o hospital exige R$ 10 mil para "reserva de vaga", além de 5 diárias para atendimento, que somam mais R$ 100 mil. 

OUTRO LADO

Em nota, a prefeitura de Alta Floresta afirma que irá investigar todas as denúncias. O médico já foi ouvido e órgãos de fiscalização estão sendo acionados.

Confira a nota: 

A Prefeitura Municipal de Alta Floresta vem a público noticiar que já tomou conhecimento das denúncias do Dr. Wagner Miranda Jr, e que já conversou com o mesmo pessoalmente e tomará as medidas cabíveis junto aos órgãos de fiscalização competentes e junto a Governo do Estado.

Toda denúncia que envolve vidas, merece ser investigada com toda atenção possível.

A Prefeitura externa seus sentimentos quanto as perdas das famílias, e que neste momento, possamos unir forças na superação desta pandemia.

Fonte: Folha max

Escrito por: Folha max

Somos o Ubiratã News, um site de notícias que tem o prazer
em dar a notícia, receber as opiniões de vocês amigos
leitores, onde podemos debater ideias